Current track

Title

Artist

Current show

Top Espaço Mwangolé

4:00 pm 5:00 pm

 

Current show

Top Espaço Mwangolé

4:00 pm 5:00 pm

 

Background

“Black Mirror” torna-se real: a inteligência artificial quer ressuscitar os mortos

Written by on April 11, 2023

inteligência artificial quer ressuscitar os mortos - Camões Rádio - Noticias

“Black Mirror” torna-se real: a inteligência artificial quer ressuscitar os mortos

 

Há precisamente dez anos, Charlie Brooker imaginava mais um dos cenários fantasiosos de “Black Mirror”. No arranque da segunda temporada, os espectadores eram apresentados a Martha e Ash, um jovem casal como qualquer outro. Ele era viciado no seu telemóvel, ela preparava-se para ser mãe. Um dia, Ash morre num acidente de viação e tudo muda.

Surpreendida com um teste de gravidez positivo e sem o seu companheiro, Martha entra numa espiral depressiva, apenas interrompida por um email assinado pelo falecido marido. Por detrás desse email estava uma empresa de inteligência artificial que oferecia os seus serviços.

O software da empresa recolhia os dados e publicações de Ash nas redes sociais para criar um ente artificial, capaz de replicar e conversar com Martha, usando os mesmos termos, estilo de escrita e humor de Ash.

A explosão dos serviços com base em inteligência artificial tem dado origem a muitas evoluções, mas nenhuma tão abrangente como a do surgimento do ChatGPT, o famoso chatbot com admiráveis capacidades de conversação e de escrita. E, num ápice, o que Brooker imaginava há mais de uma década parece ser mais real do que nunca.

É também essa a opinião de Pratik Desai, cientista computacional e fundador de várias startups em Silicon Valley. O especialista, que criou uma versão sua semelhante ao ChatGPT, acredita que será possível fazer “renascer” pessoas que já morreram através desta tecnologia. Tudo o que o sistema precisa são imagens, vídeos e gravações de onde possa retirar o maior número de dados sobre determinada pessoa.

“Comecem a gravar os vossos pais e pessoas amadas com regularidade. Com dados suficientes para transcrição, novos sintetizadores de voz e modelos de vídeo, há uma possibilidade de que eles poderão viver para sempre convosco, mesmo depois de deixarem o mundo físico”, escreveu no Twitter. “Isto deverá ser possível até ao final do ano.”

Desai não está sozinho nesta crença, embora talvez esteja demasiado otimista no que toca à rapidez de implementação desta tecnologia. É que em 2021, a Microsoft já havia patenteado uma tecnologia que permite recolher dados das redes sociais para reencarnar pessoas como chatbots, software capaz de emular todas as características de um indivíduo e possibilitar que ele possa ter uma conversa com qualquer outra pessoa.

“Os dados das redes sociais podem ser usados para criar e modificar o tema que define a personalidade de uma pessoa específica”, revela a patente. Os dados seriam então processados por máquinas com capacidade de aprendizagem computacional.

Hoje, com os pequenos grandes saltos dados nesta tecnologia, começam a surgir cada vez mais serviços, também eles mais diversificados. A par dos chatbots e dos geradores de imagens, a inteligência artificial está agora ao serviço dos que choram a morte dos familiares.

Foi isso que imaginou Artur Sychov, fundador de uma empresa dedicada à exploração do metaverso, quando assistiu à morte do pai por causa de um cancro. A sua morte inspirou a criação do Live Forever, um modo acoplado a este universo digital, que cria precisamente uma versão da pessoa morte no metaverso.

Fonte: NiT